Pode parecer óbvio, mas acredite: muita gente não consegue compreender porque, quem desenha para a cultura ocidental, insiste em recitar o mantra “da esquerda para a direita. É assim que se organiza por ordem de importância”.

Esta é a maneira mais fácil de explicar como os designers pensam para organizar a informação de forma que ela seja clara e absorvida o mais rápido possível. Tá certo, tudo depende do contexto, do público e tem uma série de fatores que determinam a decisão final (a cultura ocidental ou oriental, por exemplo), mas acredite: o designer da sua empresa não teve uma visão com esta ideia e decidiu que era o certo. Tudo começou com um cara chamado Leonardo Fibonacci (se você não curte matemática, desaconselho o clique neste link).

Explicando de forma bem tosca, esse matemático descobriu uma sequência numérica utilizada em diversos campos como matemática (lógico), literatura, música, cinema, entre outros que se vê como a mesma proporção que é utilizada pela natureza para criar formas perfeitas. A Proporção áurea, uma espécie de gráfico gerado pela constante do Número de Fibonacci, é utilizada desde a antiguidade para criar formas bem desenhadas. Pode ser vista em obras de Leonardo da Vinci, Giotto e até na marca da Apple, a famosa maçã de Jobs.

Daí, com diversos estudos baseados neste conceito, dentro da disciplina de design, concluiu-se que, há pontos dentro de um suporte (página, site, cartaz, banner, aplicação, tela…) onde a visualização é mais rápida e clara. Esses pontos são o ponto áureo e o centro físico.

O ponto áureo é o ponto que se enxerga primeiro ao visualizarmos algo. Vamos usar uma página, como exemplo. Este ponto é onde se encontra a medida de 3/8 da página tanto na largura como na altura. Difícil? É só dividir sua página em 8 partes iguais (isso serve para as telas, tá?) na altura e na largura (como a página acima) e cruzar linhas partindo do 3º ponto. quando as linhas perpendiculares se encontrarem você achou o seu ponto áureo, ou seja, o ponto que se enxerga primeiro.  São 4 pontos porque eles podem ser contados de cima para baixo, de baixo para cima, da direita para a esquerda, da esquerda para a direita. O que determina qual dos pontos eu vou usar? Os outros fatores sobre os quais eu falei lá em cima, público, cultura, objetivo… além disso, fatores como tamanho dos elementos também. Se você tiver uma imagem bem colorida que ocupa mais da metade da página, via de regra, ela será a primeira coisa a ser visualizada, porque ela cruza as fronteiras dos pontos áureos.

Note que, os capítulos dos livros, títulos de artigos, peças mais importantes, fotos mais importantes, matérias principais muitas vezes não começam no topo da página. Geralmente ficam um pouco mais abaixo. Não é por acaso. Procurou-se usar o ponto áureo para dar destaque.

Esta é a minha primeira linha de visão.

Além do ponto áureo, há o centro físico. Onde duas linhas diagonais se cruzam. Este é o ponto entre os pontos áureos. O segundo lugar mais visualizado e onde é mais fácil concentrar a atenção. Já notou que geralmente executamos tarefas primárias ao centro? O espaço entre as margens de um papel é centralizado, a área de desenho do seu software é centralizada, a página do seu editor de textos é centralizado…

Pode parecer bobagem, mas as placas com nomes das ruas sempre são ao centro ou à esquerda, a sinalização do metrô também. Os menus dos filmes, a abas do seu navegador, as barras de menus. Se bem desenhados, o início das coisas que são primarias não vão ultrapassar nunca a medida de 3/8 para qualquer lado. Ainda que seu texto esteja à direita, pode ter certeza de que você começará a lê-lo muito antes de ultrapassar a “medida mágica”.

Da próxima vez que um designer lhe disser: “Da esquerda para a direita”, ” Um pouco mais pra baixo”, “Deixe uma margem maior”, dê um voto de confiança a ele, lembre da matemática e que o objetivo é chegar à perfeição da natureza.