Arquivos para posts com tag: Design

Outono

Ele vai chegar em breve, e eu ainda não tenho oportunidade de vê-lo assim. Baseado em http://www.flickr.com/photos/joiseyshowaa/3058197366/

Não abuse da paciência das pessoas

Uma campanha para preservar as amizades

Acabei de fazer a identidade visual do Café e Buffet D’Annas.

Um trabalho muito legal de fazer.

Você pode ver o manual de uso da marca completo via Slideshare aqui:

|

E aí, o que você achou?

Pode parecer óbvio, mas acredite: muita gente não consegue compreender porque, quem desenha para a cultura ocidental, insiste em recitar o mantra “da esquerda para a direita. É assim que se organiza por ordem de importância”.

Esta é a maneira mais fácil de explicar como os designers pensam para organizar a informação de forma que ela seja clara e absorvida o mais rápido possível. Tá certo, tudo depende do contexto, do público e tem uma série de fatores que determinam a decisão final (a cultura ocidental ou oriental, por exemplo), mas acredite: o designer da sua empresa não teve uma visão com esta ideia e decidiu que era o certo. Tudo começou com um cara chamado Leonardo Fibonacci (se você não curte matemática, desaconselho o clique neste link).

Explicando de forma bem tosca, esse matemático descobriu uma sequência numérica utilizada em diversos campos como matemática (lógico), literatura, música, cinema, entre outros que se vê como a mesma proporção que é utilizada pela natureza para criar formas perfeitas. A Proporção áurea, uma espécie de gráfico gerado pela constante do Número de Fibonacci, é utilizada desde a antiguidade para criar formas bem desenhadas. Pode ser vista em obras de Leonardo da Vinci, Giotto e até na marca da Apple, a famosa maçã de Jobs.

Daí, com diversos estudos baseados neste conceito, dentro da disciplina de design, concluiu-se que, há pontos dentro de um suporte (página, site, cartaz, banner, aplicação, tela…) onde a visualização é mais rápida e clara. Esses pontos são o ponto áureo e o centro físico.

O ponto áureo é o ponto que se enxerga primeiro ao visualizarmos algo. Vamos usar uma página, como exemplo. Este ponto é onde se encontra a medida de 3/8 da página tanto na largura como na altura. Difícil? É só dividir sua página em 8 partes iguais (isso serve para as telas, tá?) na altura e na largura (como a página acima) e cruzar linhas partindo do 3º ponto. quando as linhas perpendiculares se encontrarem você achou o seu ponto áureo, ou seja, o ponto que se enxerga primeiro.  São 4 pontos porque eles podem ser contados de cima para baixo, de baixo para cima, da direita para a esquerda, da esquerda para a direita. O que determina qual dos pontos eu vou usar? Os outros fatores sobre os quais eu falei lá em cima, público, cultura, objetivo… além disso, fatores como tamanho dos elementos também. Se você tiver uma imagem bem colorida que ocupa mais da metade da página, via de regra, ela será a primeira coisa a ser visualizada, porque ela cruza as fronteiras dos pontos áureos.

Note que, os capítulos dos livros, títulos de artigos, peças mais importantes, fotos mais importantes, matérias principais muitas vezes não começam no topo da página. Geralmente ficam um pouco mais abaixo. Não é por acaso. Procurou-se usar o ponto áureo para dar destaque.

Esta é a minha primeira linha de visão.

Além do ponto áureo, há o centro físico. Onde duas linhas diagonais se cruzam. Este é o ponto entre os pontos áureos. O segundo lugar mais visualizado e onde é mais fácil concentrar a atenção. Já notou que geralmente executamos tarefas primárias ao centro? O espaço entre as margens de um papel é centralizado, a área de desenho do seu software é centralizada, a página do seu editor de textos é centralizado…

Pode parecer bobagem, mas as placas com nomes das ruas sempre são ao centro ou à esquerda, a sinalização do metrô também. Os menus dos filmes, a abas do seu navegador, as barras de menus. Se bem desenhados, o início das coisas que são primarias não vão ultrapassar nunca a medida de 3/8 para qualquer lado. Ainda que seu texto esteja à direita, pode ter certeza de que você começará a lê-lo muito antes de ultrapassar a “medida mágica”.

Da próxima vez que um designer lhe disser: “Da esquerda para a direita”, ” Um pouco mais pra baixo”, “Deixe uma margem maior”, dê um voto de confiança a ele, lembre da matemática e que o objetivo é chegar à perfeição da natureza.

 

Já se perguntou como são feitos aqueles chocolates perfeitos de propaganda, que deixam a gente com água na boca?

É hora de aprender. Muita gente me pergunta como faço pra criar esse tipo de coisa e esta é uma boa maneira de demonstrar como usar os filtros (:

Passo 1:

Crie uma nova imagem (File > New), de preferência, quadrada (é mais fácil de conseguir um resultado legal). No meu caso, estou usando uma imagem 600 x 600 pixels, mas você pode adequar à sua necessidade.

Passo 2:

Certifique-se de que as cores de primeiro plano e plano de fundo estão no padrão (preto e branco, respectivamente). Pode ser uma outra cor? Pode. Mas assim fica mais fácil de conseguir o tom de chocolate desejado depois.

Passo 3:

Vá até o Menu Filter > Render > Clouds e clique em OK. Eu sei que o resultado não parece nada com chocolate, mas vá por mim, logo a gente chega lá.

Passo 4:

Vá novamente até o menu Filter, mas dessa vez siga Filter > Distort > Twirl.

Na caixa de diálogo você vai ajustar a propriedade Angle, de acordo com sua preferência e tamanho da imagem. Para esse caso, eu usei 600 º, mas talvez seja uma boa oportunidade de experimentar você mesmo o que fica melhor. Depois é só dar “Ok”.

Sua imagem já deve estar lembrando, pelo menos de longe, o chocolate.

Passo 5:

Hora de dar aquele brilho ao seu chocolate. Mais uma vez usando o menu Filter. Siga Filter > Artistic > Plastic Wrap.

Na Filter galery você já vai visualizar a mudança.

Ajuste os sliders que aparecem na lateral direita da caixa (Highlight Strenght, Detail e Smoothness) de acordo com sua preferência (não exagere!) ou use os mesmos valores que eu: 15, 9 e 7, respectivamente.

Passo 6:

Hora de deixar o chocolate com cor de chocolate. Vá até o menu Image > Adjustments > Hue/Saturation…

Na caixa de diálogo que abrir, marque a opção Colorize. A barra “Hue” dá o matiz de marrom, a cor propriamente dita. A barra “Saturation” vai deixar a cor mais viva ou mais amena e “Lightness” mais clara ou mais escura. Sugiro que, se você não tem o hábito de usar esta caixa, utilize os mesmos valores da imagem abaixo (29, 33 e -18, respectivamente) e clique  em Ok.

Sua imagem deve estar como esta abaixo. Isto é, com cor de achocolatado. Mas não esquente. Nós vamos chegar na cor de chocolate perfeita.

Passo 7:

Para melhorar a cor, vamos usar o recurso de Variações. No menu Image, encontre Image > Adjustments > Variations.

Na caixa de diálogo que vai ser aberta é possível escolher variações da mesma imagem com alterações na intensidade de cores (More Green, More Yellow…) e também na iluminação (Lighter e Darker). Clicando nas imagens você pode chegar à cor desejada. Para atingir a cor que eu queria, cliquei Darker 1 vez, More Red uma vez e Darker novamente, nesta sequência. Em seguida Ok.

Está pronto o seu chocolate!

E aí, gostou do resultado?

%d blogueiros gostam disto: