Arquivos para posts com tag: Interação humano-computador
Anúncios

Há muita gente muito boa no que faz ao redor do mundo.

Isso inclui aqueles que trabalham com design, interação, usabilidade, arquitetura da informação, experiência do usuário…

É importante lembrar disso porque, mesmo que você seja o melhor profissional do planeta em alguma coisa, não esqueça de um ponto importante: Teste os resultados antes de publicar/implementar/homologar.

A imagem acima é da página de espera de uma agência digital muito, mas muito boa – a Fishy. Eles são Os Caras. Fazem trabalhos incríveis. Mas na sua própria página eles tiveram um pequeno problema: o texto está difícil de ler. Muito difícil mesmo. Foi usada um fonte muito legal para impressos, a Six Caps. Só que, para usar uma fonte dessas num site, tem que muito corajoso. Ela é uma fonte condensada e foi usada toda em uppercase. O resultado é que tem que ser ninja para ler uma fonte assim com o background audacioso (as centenas robozinhos coloridos). Tá certo que o texto está sob uma área chapada, mas ainda assim, é uma fonte difícil de ler em qualquer tamanho, principalmente com toda a distração.

Até os bons às vezes erram…

De uma apresentação sobre design de interação do Instituto Faber-Ludens em http://www.slideshare.net/usabilidoido/design-de-interao-em-produtos-eletrnicos

Hoje estive tentando retormar a leitura de Interação humano-computador. O trabalho que eu digo que amo tanto aqui exige que, de vez em quando, leiamos sobre coisas que até já sabemos para relembrar. Daí chego em algo que me chama a atenção. É um tópico sobre perspectiva de reflexão em ação em Design. Uma proposta de Schön. O trecho do livro cita Löwgren e Stolterman. Tá certo, não está entendendo o que isso que eu falei até agora tem a ver com o título, né?

É que esse trecho do livro cita características importantes para quem está pensando em ser designer de interação. Claro, com algumas adaptações se aplica a todas as outras subdivisões do design. Então pega o caderno e anota aí:

  • Criatividade e capacidade de análise para criar e modelar ideias (ser criativo, isso não vai mudar, em qualquer descrição sobre designers que venha a ler);
  • Capacidade crítica e de julgamento para decidir (não concorde com tudo, discuta, pergunte, não tenha medo de perguntar por quê e/ou expressar uma opinião contrária à maioria, desde que tenha fundamento);
  • Capacidade de comunicação e negociação para trabalhar com clientes, usuários e desenvolvedores (aprenda isso: designers tem que saber falar, ouvir, entender e escrever bem. Isso é comunicar-se e é essencial);
  • Conhecimento sobre as tecnologias disponíveis para projetar qualidades estruturais e funcionais (como o seu trabalho vai ser concretizado é problema seu. E se você quer que saia direito, acompanhe as etapas do processo, saiba o que é possível de fazer e o que não é. Não viaje. Design é projeto, não é obra de Salvador Dalí);
  • Conhecimento sobre valores e ideais dos envolvidos para projetar qualidades éticas (Você não produz peças para si mesmo. Conheça seu cliente, seu usuário, que pode ser interno ou externo. O que você ajuda a criar deve ter valor para ele ou seu produto será um fracasso);
  • Capacidade de apreciar e compor coisas agradáveis aos sentidos para projetar qualidades estéticas (se o que você faz é feio, mas funciona, alguém está estudando para criar um produto concorrente ao seu que também funciona, é bonito e interessante. Daí você vai perder o cliente).

Lembre-se de que você pode ter habilidade natural para algo, mas tudo exige esforço. Ninguém é bom designer por acaso.

%d blogueiros gostam disto: